Merda e ouro (Paulo Leminski)

Merda é veneno.
No entanto, não há nada
que seja mais bonito
que uma bela cagada.
Cagam ricos, cagam padres,
cagam reis e cagam fadas.
Não há merda que se compare
à bosta da pessoa amada.

10 comentários:

  1. este poema é mto louco! li, a primeira vez qndo tinha 10 anos, e assim começei a admirar Lemninski!

    ResponderExcluir
  2. Eu também! Junto com "amar é um elo". :)

    ResponderExcluir
  3. pow, esse me fez raxar as bicota.

    ResponderExcluir
  4. corrige isso aí "no enTanto"

    ResponderExcluir
  5. POESIA CHULA: “BOSTA”
    David James Loureiro

    Do cu de um cavalo a cagar
    Cai a bosta sujando a cidade
    A bosta fede, é bem verdade
    Mas cavalos não têm vasos ara sentar

    Fazer bosta é então uma necessidade
    E o comércio pode assim se aproveitar
    Papéis e fraldas posso exemplificar
    Bosta e dinheiro fazem amizade

    Dizem: “– Dinheiro é do Diabo excremento!”
    Dinheiro é adubo de mentes que brigam
    Por ele fazendo bosta todo dia

    Da bosta a fedentina vem com o vento
    Filosofo e vejo que bostas ficam
    E que bosta mesmo é um país sem democracia.

    Mogi das Cruzes, 29 de abril de 2001

    ResponderExcluir
  6. Poema comum outrora em porta de banheiro, de autor obviamente desconhecido:

    Cagar é a lei do mundo
    Cagar é a lei do Universo
    Cagou D. Pedro II
    Cagou o autor desses versos

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget
Este é apenas um acervo de poemas de Leminski encontradas na internet, com objetivo de divulgar a obra poética deste maravilhoso poeta. Compre os livros!

Veja mais poemas!