Ímpar ou Ímpar (Paulo Leminski)

     Pouco rimo tanto com faz.
Rimo logo ando com quando,
     mirando menos com mais.
Rimo, rimas, miras, rimos,
     como se todos rimássemos,
como se todos nós ríssemos,
     se amar (rimar) fosse fácil.

     Vida, coisa pra ser dita,
como é fita este fado que me mata.
     Mal o digo, já meu siso se conflita
com a cisma que, infinita, me dilata.

Um comentário:

  1. Vi esse poema como musica. Acho que se chama Musica de Ruiz quem cantou. É linda. Mas não sabia ao certo de quem era..
    Att

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget
Este é apenas um acervo de poemas de Leminski encontradas na internet, com objetivo de divulgar a obra poética deste maravilhoso poeta. Compre os livros!

Veja mais poemas!