[É tudo o que sinto] (Paulo Leminski)

Inverno

É tudo o que sinto

Viver

É sucinto

17 comentários:

  1. Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Verão

      É tudo o que não sinto

      Morrer

      Sem nenhum arrependimento

      Inventado sem nenhuma pretensão ;)

      Excluir
  2. Aprendi apreciar suas palavras, através de um amigo que além de querido é sabio, como vc, Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  3. Inverno americano, fa do Leminski, poucas coisas ainda me fazem falta do pais que me viu nascer...
    a literatura e o sul.

    ResponderExcluir
  4. Poesias deveriam ser como as musicas raízes: O povo ouviu, cantou e curtiu no momento e hoje, ainda se ouve, canta e curte.
    É uma pena que elas caiam no esquecimento! Fortalece a literatura, assim como fortalece sentimentos -coisa que hoje, pouco se vê-.


    Estou seguindo...

    ResponderExcluir
  5. to conhecendo e adorando as obras de paulo leminski......

    ResponderExcluir
  6. Lemiski diz:
    (...)
    Viver é sucinto
    Conhece será o vinho?
    A escolha de um bom chocolate?
    Conhece a TPM?
    A conquista,
    A gripe Suína?
    Curitiba e seu Clima?
    O Beijo,
    A saliva,
    O coração que se agita?
    Tinha razão,
    Viver é sucinto
    Mas com toque profixo!
    TOM 11/04/10.

    ResponderExcluir
  7. Amo Leminski... e nada mais! Tudo a ver!

    ResponderExcluir
  8. corrigindo:
    Mas com toque prolixo!

    ResponderExcluir
  9. Verão

    É tudo que almejo

    Viver é desespero!

    Abraços.

    http://poesiafotocritica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Pensamento é o recinto

    Em que eu me minto

    O nada é o que sinto

    Achando razão o instinto

    Buscando o extinto

    O horizonte por labirinto

    De opções faminto

    Um copo, dois copos... o quinto

    O aroma de vinho tinto

    Um arroto de absinto

    Sonho distinto

    Real indistinto

    Silencio sucinto

    ResponderExcluir
  12. é sempre inverno no coração do poeta quando perde um amor, sente-se só, tem saudade, emfim... mas quando o amor acerta o coração da gente em cheio, então faz verão na alma da gente... mas esta é apenas minha impressão sobre o inverno de Leminski

    ResponderExcluir
  13. No blog do Arcanjo Suburbano os poemas A Igualdade, Ataque do Negro Boreal, Aurora de Maldoror, Liberdade, & outros pretendem combater a mesmice da poesia periferica produzida atualmente. Visitem, leiam & ofendam moderadamente...

    ResponderExcluir
  14. Lindo poema, me identifiquei. Estou conhecendo agora as obras de Paulo Leminski e estou adorando.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget
Este é apenas um acervo de poemas de Leminski encontradas na internet, com objetivo de divulgar a obra poética deste maravilhoso poeta. Compre os livros!